» » Rádio Migrantes leva informação para deslocados em todo o mundo


O poder de aproximar pessoas e quebrar a distância é uma das principais funções da internet.

Essa aproximação, aliada ao poder da comunicação, forma a base da Rádio Migrantes. A webradio, que está no ar há cinco anos, tem uma programação voltada para imigrantes, refugiados, pessoas deslocadas pela violência e suas famílias que podem escutar em qualquer lugar do mundo.

A proposta da rádio surgiu em 2013, quando o jornalista chileno Miguel Ahumada foi procurado por uma instituição que acolhe refugiados e imigrantes no Brasil. O primeiro programa foi ao ar no dia 9 de julho daquele ano.

No início, a ideia era uma programação toda feita em espanhol. Contudo, com o passar do tempo, eles foram percebendo que a língua espanhola não conseguia alcançar todas as pessoas que ouviam a rádio. “Notamos que teríamos que ter mais abertura para as outras comunidades”, explica Ahumada.

Atualmente, toda a programação da emissora é em português e é elaborada pela jornalista Patricia Rivarola e por Ahumada.

Programas feitos pelos imigrantes

Para levar informação sobre questões importantes para cada comunidade, toda a programação informativa é feita pelos imigrantes e refugiados que trabalham voluntariamente.

Ahumada explica que são os próprios imigrantes que o procuram com as sugestões e tudo o que ele faz é dar alguns direcionamentos e deixar que a pessoa se divirta criando o programa.

O jornalista que só faz uma exigência: que as informações passadas nos programas sejam checadas. “Tudo tem que ser verdadeiro porque a informação que ele vai passar, vai para a comunidade”, diz.

Ahumada conta que já foi questionado algumas vezes sobre as informações divulgadas porque os ouvintes são muito ativos e participantes.

Na grade da Rádio Migrantes existem programas sobre educação, sobre a Venezuela, o Paraguai e até mesmo sobre as influências da migração no Vale do jequitinhonha, em Minas Gerais.

Os programas ainda informam sobre documentação necessária para solicitar status de refúgio, denúncias de xenofobia, decisões do governo brasileiro que podem impactar suas vidas e acontecimentos que possam interessar aos ouvintes, como festas e celebrações.

Como são os próprios deslocados que produzem o conteúdo, eles avisam suas famílias e amigos que ficaram nos países de origem, o que faz com que a rádio tenha uma audiência global.

Os programas são repetidos em, no mínimo, três horários diferentes cada, para que pessoas que vivem em outros fusos horários possam acompanhar. São pelo menos 32 países acompanhando a programação diariamente.

FONTE: R7

Postado por ADM

O portal da galera do rádio
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários

Nenhum comentário :

Deixe uma resposta