» » Carnaval na Era de Ouro do Rádio


O que ouvimos nessa época do ano? Músicas de Carnaval, é claro. Dependendo da cidade onde estamos, um ritmo diferente pode prevalecer. Mas, com o poder das estações de rádio, desde o fim dos anos 1930, já era possível espalhar as mesmas produções animadas em muitas cidades do território brasileiro. Os ritmos diferentes eram bem-vindos fazendo parte da alegria nacional, apesar das eventuais tristezas, guerras e crises políticas. No Rio de Janeiro, as marchas e os sambas predominavam e eram enviadas para todos os lugares. Os frevos vindos do Recife, com sua alegria contagiante, também eram bem-vindos.
Nas décadas de 1930 e 1940 do século passado, a maior emissora brasileira da época, a Rádio Nacional do Rio de Janeiro, absorvia os ritmos nordestinos, ao mesmo tempo em que se especializava em divulgar a produção local. Uma semana antes do Ano Novo, as rádios cariocas começavam a investir nas novas músicas carnavalescas, abrindo espaço nos seus programas tradicionais para a Festa de Momo.
Não se descartavam os sucessos do passado, mas era tão boa a nova safra que era preciso divulgá-la o quanto antes. Fazia parte da vida dos foliões decorar as letras e já chegar nos bailes, blocos, desfiles das grandes sociedades, batalhas de confete e bailes de mar à fantasia cantando os lançamentos. A imprensa corria atrás do interesse dos foliões publicando revistas com das letras recém-criadas. Os foliões que não podiam sair por algum motivo ficavam em casa e se divertiam do jeito que era possível. Ouvindo o rádio, é claro, em uma época na qual ainda não existia a TV.
Com a colaboração da escritora, jornalista e professora da PUC-Rio, Rose Esquenazi, do site "Rádio na História" (www.radionahistoria.blogspot.com.br), clique no link e confira um pouco mais da magia dos carnavais da primeira metade do século XX! Clique no player e confira esse verdadeiro registro histórico do Rádio em todos os tempos!


FONTE: EBC

Postado por ADM

O portal da galera do rádio
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários

Nenhum comentário :

Deixe uma resposta